Consumo consciente & Slow fashion

Moda praia sustentável

/
Moda praia sustentável

Aliar qualidade à sustentabilidade. Essa é a premissa da marca Muxima Beachwear. Tendo como inspiração as praias paradisíacas e tropicais de Angola, o conceito da grife surgiu da parceria entre a designer luso-angolana Ana Quaresma e da artista brasileira Maria K. Braga D’Alo.

“Nosso intuito é diminuir e evitar o uso de fibras de origem petrolífera, por isso usamos algodão orgânico nas roupas de banhos. Toda coleção foi tingida à mão com pigmentos naturais, também levando em consideração nossa preocupação com uma das maiores questões ambientais na indústria da moda: a vertente da tinturaria. Todos os dias ela contamina nossos rios e oceanos, desestabilizando nosso ecossistema”, explicou Ana ao Fashion for Better.

Além do algodão orgânico, a marca ainda conta com o linho como matéria-prima para confeccionar acessórios.

“Por ser fresco e resistente ao calor, usamos linho na nossa coleção, especialmente nos cover-ups e nas mochilas”, acrescentou Ana.

Entretanto, desenvolver produtos sustentáveis que não agridem o meio-ambiente e, ao mesmo tempo, conscientizar o consumidor nem sempre é uma tarefa fácil.

“Um dos maiores desafios [para fazer uma moda mais sustentável] é a monopolização do mercado por parte de algumas multinacionais de moda, que praticam preços baixos e convidativos, assim controlando e uniformizando a moda e acabando com a diversidade criativa e a inovação. Outro desafio é a sensibilização por parte do consumidor na sua escolha. Nosso objetivo é incentivar uma compra cada vez mais holística que priorize a qualidade e respeite o planeta e os direitos dos trabalhadores”.

Sensualidade x Sustentabilidade

É possível aliar estilo à sustentabilidade sem deixar de ser sexy? Na opinião de Ana, isso não apenas é totalmente viável, como também faz parte do DNA da Muxima Beachwear.

“Nosso design enaltece a forma feminina sem nunca apelar para o vulgar. Nosso grande diferencial é o uso das fibras ecológicas e métodos artesanais de produção, sem que isso afete nossa relação com a forma. Ser sexy, para nós, não é o que vestimos, mas nossa atitude e a forma como vivemos a vida”, garantiu Ana.

Não é à toa que, após três anos de existência, a marca continua sendo bem aceita pelo público.

“A aceitação tem sido muito positiva, as pessoas gostam essencialmente do equilíbrio entre o design e qualidade, assim como a vertente ecológica. Nossos consumidores acreditam e respeitam nossos pilares éticos”, finalizou.

Para conhecer mais sobre a marca e coleção, acesse o site https://www.muximabeachwear.com

Confira o trabalho da jornalista Patricia Dantas pelo Instagram @patydantas8