Team Fashion for Better

Moda & Revolução

/
Moda & Revolução

Moda é algo tão importante para a economia, que se não existisse o setor têxtil não teria havido Revolução Industrial. Da colheita do algodão aos desfiles, passando por artesãos, designers, fabricantes, químicos, publicitários, poucas atividades estão em contato tão constante com as engrenagens fundamentais para o desenvolvimento de um país. Ela emprega milhões de pessoas em todo o mundo e fatura cifras na faixa dos trilhões de dólares. Essa história de sucesso entretanto esconde um lado obscuro: a moda tornou-se hoje a segunda indústria mais poluente do mundo e tem condenado inúmeras pessoas a viver sob condições absolutamente desumanas.

 

Você já se perguntou o que está por trás daquela última pechincha? Uma simples camisetinha branca precisa de 2.700 litros de água para ser fabricada. Outro exemplo? O poliéster, a fibra sintética mais usada na indústria têxtil, consome 70 milhões de barris de petróleo todo ano para ser produzido. Já a viscose, outro tipo de tecido feito a partir de celulose, provoca a derrubada de 70 milhões de árvores anualmente. Mas há danos ainda piores.

Nos últimos 20 anos, o consumo de moda no planeta cresceu mais de 40%. Para atender a demanda, sem perder seus altos lucros, as marcas foram em busca de locais onde os custos de produção fossem os mais baixos possíveis. Entre os resultados surgiram as “sweat shops”, as “fábricas de suor”, onde trabalhadores (a maioria mulheres) trabalham em prédios nojentos, caindo aos pedaços, por salários de US$ 2 por dia. Países como Bangladesh ou Camboja tornaram-se grandes exportadores mundiais simplesmente pelo desespero dos produtores locais, que com medo dos grandes compradores mudarem para outro país, se vêem obrigados a trabalhar com preços baixíssimos _ e não dar a mínima bola para questões sociais ou ambientais.

 

“Temos uma oportunidade histórica e o dever de agir vigorosamente para tornar a dignidade para todos uma realidade, sem deixar ninguém para trás”, afirmou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, em 2015, ao apresentar a versão final de “Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”. Trata-se de um plano de ação para as pessoas, o planeta e a prosperidade, baseado em cinco eixos de atuação, 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e 169 metas (leia abaixo a relação completa).

 

Em resumo, as ODSs buscam fortalecer a paz universal reconhecendo que a erradicação da pobreza é hoje o maior desafio global ao desenvolvimento sustentável. Esse documento foi inspirador para lançarmos no Brasil o Fashion for Better,  um movimento que nasceu com o propósito de garantir a procedência de mão de obra para consumidores que desejam, mais do que investir em produtos de boa qualidade, usar seu poder aquisitivo para  contribuir por um mundo melhor.  A moda movimenta não só a economia como também o comportamento. E é através de práticas de consumo consciente como a valorização da produção local e artesanal ou a preferencia pelo orgânico ao convencional, é que podemos colaborar para a construção de um mundo melhor. Juntas podemos mais.

 

Em setembro de 2015, 193 países acordaram os seguintes Objetivos de Desenvolvimento Sustentável:

  1. Erradicação da pobreza – Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.
  2. Fome zero e agricultura sustentável – Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável.
  3. Saúde e bem-estar – Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades.
  4. Educação de qualidade – Assegurar a educação inclusiva, e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.
  5. Igualdade de gênero – Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.
  6. Água limpa e saneamento – Garantir disponibilidade e manejo sustentável da água e saneamento para todos
  7. Energia limpa e acessível – Garantir acesso à energia barata, confiável, sustentável e renovável para todos.
  8. Trabalho de decente e crescimento econômico – Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo, e trabalho decente para todos.
  9. Inovação infraestrutura – Construir infraestrutura resiliente, promover a industrialização inclusiva e sustentável, e fomentar a inovação.
  10. Redução das desigualdades – Reduzir as desigualdades dentro dos países e entre eles.
  11. Cidades e comunidades sustentáveis – Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.
  12. Consumo e produção responsáveis – Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis.
  13. Ação contra a mudança global do clima – Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos.
  14. Vida na água – Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares, e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável.
  15. Vida terrestre – Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da Terra e deter a perda da biodiversidade.
  16. Paz, justiça e instituições eficazes – Promover sociedades pacíficas e inclusivas par ao desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis.
  17. Parcerias e meios de implementação – Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.