por Dani Mollo

Ferragamo: orange fiber is the new green

/
Ferragamo: orange fiber is the new green

Salvatore Ferragamo nasceu em Firenze em 5 de junho de 1898 e poucos anos depois viajou para os Estados Unidos para encontrar um de seus irmãos, que trabalhava em Boston em uma fábrica de sapatos. Após uma passagem rápida por lá, transferiu-se para a linda Santa Bárbara, cidade da costa oeste americana, na Califórnia e por ali instalou uma loja de consertos e fabricação de calçados sob medida.

Em 1922 estreou no mundo do cinema quando pediram a Salvatore que desenhasse sapatos para o filme The Ten Commandments, depois em 1924 para o filme The Thief of Bagdad e mais recentemente os sapatos que Cate Blanchett em Carol e, claro, o sapato dos sonhos da Cinderela na interpretação da Disney em 2015.

Em 1923, mudou-se para Hollywood, onde abriu a Hollywood Boot Shop, ganhando, em pouquíssimo tempo, a preferência das estrelas do cinema. Calçou ícones como Sophia Loren, Carmen Miranda, Greta Garbo, Katharine Hepburn, Marlene Dietrich, Ava Gardner, Gary Cooper e Marilyn Monroe. Ferragamo foi pioneiro na utilização da cortiça na criação de saltos e plataformas.

Marilyn Monroe gostava tanto dos sapatos de salto de Ferragamo que fazia pedido de vários pares de uma variedade enorme de cores e esse tipo de sapato se tornou um sapato de assinatura para a marca, mais do que um ícone.

Em agosto de 1960 Salvatore morre em Firenze, deixando um legado majestoso, clássico mais ao mesmo tempo inovador que perpetua-se no sucesso incontestável da marca que leva seu nome. Salvatore Ferragamo morreu sabendo que realizou seu grande sonho: criar e produzir os sapatos mais bonitos do mundo.
A sede da empresa está instalada no Palazzo Spini Feroni, em Firenze, onde foi instalado um museu em homenagem ao mestre calçadista, com fotografias, patentes, rascunhos, livros, revistas e fôrmas em madeira de pés famosos. Além disso, o museu exibe a coleção de mais de 10 mil modelos.

Esse local foi muito especial para Salvatore que dizia:

“Muito antes de me mudar para o Palazzo Spini Feroni, era um dos edifícios de Firenze que mais admirava”.

No site da marca, temos uma aba denominada “ícones” onde podemos apreciar algumas das criações de Ferragamo que até os dias de hoje ainda estão presentes nas coleções e são e serão sucesso sempre !!! Descrevo abaixo alguns deles.

A cor vermelha tornou-se um tema importante e recorrente no trabalho de Salvatore Ferragamo, tanto que ficou associado à embalagem da marca e foi integrado não apenas nos detalhes, mas também nos próprios materiais como camurça, pele de cobra e bordados.
Outro ícone da marca são os ganchos (gancini) presentes em muitas criações e considerado mais do que um mero elemento de design, é um ícone da marca e aparece em muitos acessórios e roupas Ferragamo.

Também tem o sapato Vara desde 1978, quando foi projetado por Fiamma Ferragamo, a mais velha dos seis filhos de Wanda e Salvatore Ferragamo. Desde então, a produção do Vara nunca parou. Mais de um milhão de pares foram vendidos!!!

O blog Stylo Urbano descreveu bem como a marca Ferragamo começou a utilizar a laranja em sua coleção. A laranja é a primeira fruta a se tornar roupa com o lançamento da coleção cápsula da Salvatore Ferragamo que lançou a coleção com tecido de laranja da Orange Fiber para coincidir com o Dia Mundial da Terra, que é comemorado no sábado, 22 de abril. Assim, mais uma vez, a marca se coloca na vanguarda da moda. Com essa iniciativa, o grupo Ferragamo dá um passo importante em direção à moda sustentável, pesquisando materiais inovadores com os quais pode criar tecidos que lhes permitem lidar com a escassez de materiais e o impacto ambiental da indústria da moda.
A fibra de laranja é um material inovador vindo da indústria de frutas cítricas, onde se pode extrair a celulose dos resíduos de seu bagaço, criando um fio que tem um aspecto muito semelhantes ao da seda. Gente, pensa!!!! Sabe aquela laranja que comemos até o bagaço e usamos para sucos, saladas, doces, e jogamos no lixo orgânico? então … nesse desenvolvimento feito na Europa, o bagaço vira uma fibra que se assemelha a seda!!! Depois disso, como podemos ficar insensíveis ou ignorar a quantidade de tecidos que se pode criar através de pesquisas que focam substituir tecidos vilões ou qualquer parte do processo de fabricação de produtos que impacte negativamente no ambiente? A primeira parte desse lindo processo é feito na Sicília, o segundo em uma empresa que produz fios na Espanha e o terceiro (onde é convertido em tecido propriamente dito), novamente na Itália, mais precisamente na cidade de Como.

Em comparação com outras fibras recolhidas a partir de celulose, tais como os que vêm da madeira ou de bambu, o Orange Fiber é uma das melhores alternativas para a produção de novos tecidos. Com um toque macio e luminoso, o tecido de laranja pode ser tingido e estampado da mesma forma que os tecidos tradicionais. A Ferragamo é a primeira marca de moda a usar comercialmente o fio Orange Fiber e coroou isso no primeiro semestre desse ano.
Na excelente reportagem do blog Stylo Urbano, li a informção que, depois de conseguirem esse tecido, Ferragamo pediu ao arquiteto e designer Mario Trimarchi, que ganhou o prêmio internacional de design Compasso d’Oro no ano passado, para criar estampas exclusivas inspiradas no Mediterrâneo, em sincronia com as origens da fibra. Isto resultou em estampas que ecoam as belezas naturais da Sicília, com desenhos de frutas, nuvens e flores, às vezes flutuando em uma versão abstrata. A equipe de estilistas da Ferragamo criou uma coleção de blusas, vestidos, calças e lenços.

A empresa, fundada em fevereiro de 2014, é composta por 5 membros: Adriana Santanocito, criadora e parceira fundadora, especializada em design têxtil inovador; Enrica Arena, especialista em marketing e comunicação e parceira fundadora; Francesco Virlinzi e Antonio Perdichizzi, empresários; e Corrado Blandini, advogado.

Orange Fiber é uma empresa de portfólio do Fashion Tech Lab. O Fashion Tech Lab é uma estrutura global que combina uma empresa de investimentos, um acelerador multinacional e um laboratório experimental, todos voltados para ajudar as novas tecnologias e inovações sustentáveis a se conectar, colaborar e criar produtos e marcas que desenvolvam a indústria e melhorem seus aspectos sociais e ambientais. pegadas. O Fashion Tech Lab foi fundado por Miroslava Duma, que é um membro permanente do conselho consultivo da Orange Fiber.

Miroslava é russa, nascida em março de 1985 e é uma super mulher, apesar de sua mundialmente comentada baixa estatura (ameeeeei!!! ela é ainda mais baixa do que eu, medindo 1,55m) com poderes incríveis como a sua capacidade de conectar pessoas de mundos que não tem, em teoria, nada em comum. O Fashion Tech Lab, o fundo de capital de risco e acelerador tecnológico que ela lançou, é prova disso e durante o ano passado, Mira solidificou os relacionamentos com cientistas, engenheiros e inovadores de ponta que operam nos setores de ciência dos materiais, nanotecnologia, biotecnologia e está focado em ajudá-los a construir parcerias significativas com os designers em que shows ela tem sido um dispositivo elétrico de primeira linha. Tradicionalmente, tem havido uma escassez de mulheres nesse meio de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática, de modo que quem não ficaria exultante e emocionado como a repórter Rachna Bashin em maio desse ano quando entrevistou Mia e detectou que ela, além de fazer parte desse meio incentiva quem queira participar?

Em fevereiro, a empresa Orange Fiber ganhou o Global Change Award patrocinado pela H & M Foundation. Lançada em 2015 pela H & M Foundation com o objetivo de financiar ideias que podem ajudar a proteger os recursos naturais da Terra, a empresa foi um dos cinco vencedores entre mais de 2.700 projetos vindos de 112 países.
O Orange Fiber entrou na carteira da Fashion Tec Lab Venture Inc, o maravilhoso fundo de capital internacional fundado pela moda para desenvolver as sinergias entre novas tecnologias e inovações sustentáveis e para estimular produtos e marcas que atendam as novas necessidades da moda com vistas à sustentabilidade ambiental e social.

O amor pela sustentabilidade e os processos de produção de vanguarda criaram um novo conceito de luxo baseado na inovação e qualidade da tradição têxtil italiana: um modelo virtuoso para promover e replicar para escrever um futuro sem precedentes para a moda “Made in Italy!”

Que esse modelo se espalhe! Que ultrapasse as fronteiras mundiais e oceanos! Que novos investidores conscientes da finitude de matéria prima possam investir em novas alternativas! E, por último mas não menos importante, que o consumidor saiba o papel importante que tem na hora de optar por comprar um bem de uma marca preocupada com o impacto que sua produção causa no meio ambiente.

E a fila sustentável só aumenta e encorpa…vamos em frente!!!

Fontes:

www.harpersbazaar.com
www.orangefiber.it
www.ferragamo.com
www.stylourbano.com.br