App Moda Livre

App Moda Livre

trabalho escravo tem sido visto no setor de moda e confecção com frequência. Em parte, isso leva a uma maior conscientização por parte dos consumidores, e um aplicativo pode ajudar.

Já conhece o app Moda Livre?

Aplicativo que mostra as políticas de marcas quanto ao trabalho escravo.

O Moda Livre avalia as ações adotadas para combater o trabalho escravo entre fornecedores, com base em um questionário padrão enviado às marcas e grupos varejistas que atuam no Brasil. As respostas geram uma pontuação, classificando as empresas nas categorias verde, amarela e vermelha.

O objetivo da pesquisa é avaliar como as empresas fiscalizam as condições de trabalho nas confecções que fabricam os produtos vendidos por elas, a partir de quatro indicadores básicos: políticas, monitoramento, transparência e histórico. Dados da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (Abvtex) e do governo federal também são usados na avaliação.

As etiquetas que não respondem são automaticamente incluídas no grupo vermelho, devido à falta de transparência. Também entram nessa classificação as marcas que não informam ações minimamente adequadas para evitar situações de escravidão moderna na produção de suas roupas.

Na categoria verde estão labels que supervisionam sua cadeia produtiva e possuem histórico favorável em relação ao tema. Na categoria intermediária (amarela), estão inseridas as marcas que têm mecanismos de acompanhamento falhos ou tiveram casos documentados de trabalho escravo.

O número de costureiros encontrados em condições análogas às de escravidão no Brasil já passa de 400. A maioria dos casos ocorre em pequenas confecções, onde as instalações são suscetíveis a incêndios e não oferecem o mínimo de higiene aos trabalhadores. Muitas vezes, os locais também servem de moradia aos funcionários.

As vítimas mais comuns são imigrantes sul-americanos. Eles recebem valores muito baixos por peça costurada e são submetidos a jornadas exaustivas. Muitos trabalham para pagar dívidas feitas com os patrões durante a vinda ao Brasil.

Related Posts