Comércio justo é direito de todos.

Comércio justo é direito de todos.

Comércio justo é um dos pilares da sustentabilidade econômica e ecológica. Trata-se de um movimento social e uma modalidade de comércio internacional que busca o estabelecimento de preços justos, bem como de padrões sociais e ambientais equilibrados nas cadeias produtivas, promovendo o encontro de produtores responsáveis com consumidores éticos

Comércio justo não é a mesma coisa que pagar os funcionários dentro das leis trabalhistas ou terceirizar a produção para uma empresa que não tem práticas análogas a escravidão, o comércio justo exige comprometimento, dedicação e acompanhamento.

Todas as organizações envolvidas no circuito do Comércio Justo devem obedecer aos seguintes princípios::

  1. Transparência e corresponsabilidade na gestão da cadeia produtiva e comercial;
  2. Relação de longo prazo que ofereça treinamento e apoio aos produtores e acesso às informações do mercado;
  3. Pagamento de preço justo no recebimento do produto, além de um bônus que deve beneficiar toda a comunidade, e de financiamento da produção ou do plantio, ou a antecipação do pagamento da safra, quando necessário;
  4. Organização democrática dos produtores em cooperativas ou associações;
  5. Respeito à legislação e às normas (por exemplo, trabalhistas) nacionais e internacionais;
  6. O ambiente de trabalho deve ser seguro e as crianças devem frequentar a escola;
  7. O meio ambiente deve ser respeitado.

O sistema de certificação do comércio justo tem como foco principal produtos agrícolas e com alta taxa de mão de obra escrava e infantil, como por exemplo o café, cacau, açúcar, algodão e outros. No Brasil é difícil encontrar produtos certificados com o selo de comércio justo, bem como na moda a nível mundial.

O centro de Comércio Internacional, agência conjunta das Nações Unidas e da Organização Mundial do Comércio, possui um programa que tem como objetivo conectar artesãos em situação de vulnerabilidade social (90% mulheres) de comunidades Haitianas e Africanas com a indústria mundial da moda.

No Brasil, moda com padrões de comércio justo é raridade. Algumas marcas trabalham com comunidades, muitas delas no Amazonas, cerrado, zonas rurais, povos indígenas ou junto com cooperativas de costureiras, bordadeiras e artesãs.

Comércio justo é responsabilidade social com pessoas que precisam aprender técnicas e habilidades para que, através do trabalho, possam sair da margem e ascender socialmente; também é responsabilidade ambiental, e muito mais do que isso, comércio justo é transformar a sociedade e a vida das pessoas.

 

Related Posts

No Comments

Leave a Comment

Your email address will not be published.