Fortalecendo os trabalhadores de vestuário através do jogo

Fortalecendo os trabalhadores de vestuário através do jogo

Nos tempos de hoje, aproximamos cada vez mais da tecnologia e a chamada Inteligência  Artificial (I.A) como Kavita Bala Universidade de Cornell  define comoInteligência artificial é sobre explorar o potencial inexplorado.” e claro, o setor da moda aproveitaria a melhor maneira para incluir a tecnologia, usando desde o design de vestuário até a detecção de tendências e proteção de direitos autorais, quem sabe o uso da inteligência artificial seria uma forma de revolucionar a indústria de vestuário?

Dessa forma algumas empresas vão surgindo, como a Shimmy Technolog uma plataforma baseada na nuvem que usa a I.A. e  como fundadora e CEO  Sarah Krasley, que após bancar uma linha de moda praia foi inspirada a explorar a tecnologia e assim lançou uma startup de roupas e tecnologia do Brooklyn, e seu intuito é otimizar o fluxo de trabalho de vestuário e capacitar mulheres no processo. E tudo começou após ver um designer de automóveis esculpir o capô de um carro e se perguntar se as mesmas técnicas poderiam ser usadas para corpos humanos, Tenho me preocupado cada vez mais com a automação nas fábricas”, diz Krasley, por isso desde seu inicio nos sugere que seus planos futuros irão transformar o setor de vestuário, 

Sarah Krasley também é ex-membro do The Brooklyn Fashion + Design Accelerator (BF+DAuma mini fábrica do futuro, que tem como objetivo em alcançar o mais alto padrão em sustentabilidade, ética e tecnologia. Apoiamos os criadores a mudar o mundo de um jeito positivo. Estamos aqui para achar soluções tecnológicas e sustentáveis, acelerar novos negócios, colocá-los no mercado e ajudá-los a crescer”, diz Debera Johnson fundadora e diretora BF+DA. Por isso, Krasley sabe quantas mulheres serão afetadas e principalmente pela posição mais comum na entrada delas, em qualquer fábrica de roupas , como a de “ajudante”, fazendo suas rondas na fábrica para ajudar a cortar os fios e auxiliar os operadores de costura.  E com a automação significa que as máquinas de costura agora são construídas para poder cortar esses fios sem a ajuda de um trabalhador. Embora isso tenha ajudado a tornar o processo geral mais eficiente, isso também significa que uma entrada na indústria do vestuário desapareceu. “Esta carreira muito atribuída para a maioria das mulheres já está quebrada. Assim que entrar em mais operações de costura, isso realmente deslocará muitos trabalhadores.”, diz Krasley.

Por isso, a necessidade em ajudar a capacitar as mulheres e acompanharas mudanças constantes na indústria em constante mudança e em evolução, a startup de Krasley vem como uma solução a Shimmy Technologies é uma empresa em estágio inicial que acredita que o futuro do trabalho na indústria de vestuário deve ser divertido, digno e eficiente . Suas aplicações ajudam a preparar marcas e fabricantes de vestuário para o futuro do trabalho, automatizando processos manuais e ajudando tanto as pessoas a alcançar novas habilidades, auxiliando-os em sua transição para se tornarem a força de trabalho flexível do futuro, como as marcas de vestuário a acelerar seus ciclos de desenvolvimento de produtos, reduzir os COGs por racionalizar melhor as SKUs, obter mais receita incremental com modelos digitais flexíveis prontos para personalização e personalização. Também ajudam os governos a ampliar as iniciativas de alfabetização digital para diversificar as indústrias de exportação, à frente da automação, mantendo a produção de roupas mais próxima da demanda por roupas.

Agora ,estão com um programa piloto o Shimmy Upskill, um videogame criado para treinar as trabalhadoras em habilidades digitais básicas para que elas possam mudar suas tarefas, para aquelas que são menos vulneráveis ​​à automação. Em forma de jogo, foi desenvolvido para resolver duas questões cruciais que afetam o fluxo de talentos digitais na indústria de vestuário: não há pessoas suficientes para construir modelos 3D e há falta de treinamento para ajudar a crescer nesse setor. Krasley e sua equipe decidiram criar um programa de treinamento que não apenas oferecesse as habilidades necessárias para usar o software de modelagem 3D, mas também para garantir que o treinamento fosse intuitivo e levasse em consideração os históricos dos trabalhadores mais vulneráveis.

Em um país como Bangladesh, onde as mulheres geralmente são analfabetas, e muito menos têm conhecimento dos programas complexos necessários para esses modelos, há uma curva de aprendizado íngreme que precisa ocorrer para que eles sejam capazes de preencher essas posições tão necessárias. “Se você colocar um computador na frente deles, em muitos casos, eles ficarão apavorados” diz Krasley Com  a necessidade do programa ser no idioma nativo dos funcionários, a equipe de Krasley ensinaram o IBM Watson (um sistema de computador para perguntas e respostas) um vocabulário Bangla focado em termos relacionados ao vestuário, com isso o usuário pode dizer ao computador uma palavra para um determinado componente de vestuário, e o sistema traduzirá a palavra em Inglês e ser capaz de agrupá-lo com um padrão. Além de permitir que os trabalhadores de vestuário possam usar o programa em seu próprio idioma, ele também não requer nenhuma habilidade de leitura. Arquitetar o programa dessa maneira garante que Shimmy Upskill encontre as mulheres onde elas estão, em vez de exigir que elas cheguem à mesa já armadas com um certo conjunto de habilidades digitais. “É um ótimo primeiro degrau da escada para movê-los para outro trabalho“, diz Krasley, que ressalta que, para essas mulheres, um programa como esse pode ser um passo importante.

Depois de participar do programa piloto, os participantes do Shimmy Upskill “nos disseram, por unanimidade, que podiam se ver fazendo um trabalho digital”, diz Krasley.Quando começamos isso eles disseram: ‘Eu só quero ser um operador de máquinas de costura’”. O treinamento em videogames traz benefícios tanto para o trabalhador quanto para o empregador. “Podemos mostrar claramente a um empregador, aqui estão essas mulheres que fizeram esse treinamento, e aqui está o tempo que elas montam um marcador ou montam um modelo“, diz Krasley. “Além do gênero, podemos mostrar claramente um argumento de custo”. Espero que isso comece a mudar a séria lacuna de gênero na indústria do vestuário. Na experiência de fábrica de Krasley, as mulheres são receptivas porque “elas sabem que esses empregos estão se tornando cada vez mais e mais escassos.

Sem falar que os empregos em um nível mais alto são tradicionalmente dominados por homens diz Krasley.São todos homens … É minha missão pessoal tornar esses trabalhos neutros em termos de gênero.” Agora o Shimmy Upskill  procura por um parceiro de marca para ir para a Indonésia e traduzir toda sua interface para o país, não é surpresa o prêmios que a Shimmy Technologies venceu como o Desafio de Transformação Digital de Varejo da IEEE e atualmente é finalista do Prêmio de Inovação Social da Tommy Hilfiger e da competição MIT Solve na categoria Futuro do Trabalho.Este é um futuro realmente empolgante de se trabalhar“, diz Krasley.  Esta indústria é tão madura para as possibilidades em fazê-lo da maneira certa.” Como Shimmy Upskill prova, o futuro de uma indústria de moda sustentável está nesta interseção de tecnologia e humanidade. “Vamos pensar nos trabalhadores não como uma commodity, mas como parte da cadeia de valor. Se nós dermos a eles um pouco de treinamento … nós podemos interromper esse velho modo quebrado de fazer roupas.”“, diz Krasley.

*Foto retirada da internet

Related Posts